Superlinha UCI 0800.647.5577 

Blog UCI

Conteúdos especialmente escolhidos para ajudar você a ter seu financiamento.

BC reduz juro pela 4ª vez seguida e taxa fica em 12,25% ao ano

Dicas de Financiamento

24 de Fevereiro de 2017

Postado por:

O BC VEM PROMOVENDO REDUÇÕES NA SELIC DESDE OUTUBRO DO ANO PASSADO, QUANDO A TAXA ERA DE 14,25% AO ANO, NÍVEL EM QUE ESTAVA DESDE JULHO DE 2015.

O Banco Central decidiu nesta quarta-feira, 22, reduzir a taxa básica de juros, a Selic, em 0,75 ponto porcentual, para 12,25% ao ano. A decisão foi unânime. Esta é a quarta vez seguida que o BC decide cortar os juros, que agora alcançaram o menor patamar desde janeiro de 2015. O Comitê de Política Monetária (Copom) considerou que a redução da inflação permite continuar a cortar a Selic.

“O Comitê entende que a convergência da inflação para a meta de 4,5% no horizonte relevante para a condução da política monetária, que inclui os anos-calendário de 2017 e, com peso gradualmente crescente, de 2018, é compatível com o processo de flexibilização monetária”, diz a nota.

O BC vem promovendo reduções na Selic desde outubro do ano passado, quando a taxa era de 14,25% ao ano, nível em que estava desde julho de 2015. Agora, com o recuo da inflação, que fechou o ano de 2016 em 6,29%, a instituição adotou um novo ritmo de corte nos juros de 0,75 ponto, segundo o presidente do BC, Ilan Goldfajn.

No mercado, havia a percepção de que um corte de 1 ponto porcentual da Selic era possível, em função da inflação recente, mas não era provável. Isso porque o BC vinha sinalizando a intenção de promover corte de 0,75 ponto porcentual, como fez em janeiro. No mês passado, aliás, este corte gerou críticas à comunicação do BC, já que a maior parte do mercado esperava por 0,50 ponto. A avaliação agora era de que, se optasse por 1 ponto, novamente contrariando o mercado, o BC voltaria a atrair críticas para sua comunicação.

Mesmo com o corte, o Brasil segue tendo o maior juro real do mundo. Segundo cálculos do economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, a distância entre a taxa de juros e a inflação gera um juro real de 7,30% ao ano. Para investimentos, o juro real maior favorece as aplicações em renda fixa e deve continuar rendendo ganhos para quem investe nessa modalidade.

Uma possível intensificação do tamanho do corte da Selic depende, segundo a nota do Copom, de uma avaliação sobre quanto tempo vai durar o ciclo de baixa, mas, também, da recuperação da economia e da evolução da inflação.

Projeção. Até o fim de 2017, analistas do mercado esperam que a Selic caia a 9,5% ao ano, conforme as projeções divulgadas no último Relatório de Mercado Focus. Para a inflação, a expectativa é de que o índice oficial encerre o ano em 4,43%, abaixo do centro da meta, de 4,5%.

Apesar de reforçarem a trajetória de queda da inflação, dados do IPCA-15 divulgados também nesta quarta-feira pelo IBGE mostram que os preços tiveram um avanço além do esperado na passagem de janeiro para fevereiro. Mesmo assim, o indicador teve o menor resultado para meses de fevereiro desde 2012.

Fonte: ABECIP

Leia também

Conheça os 50 anos de Crédito Imobiliário no Brasil

Dicas de Financiamento

A Edição nº 46 da Revista do SFI, trouxe informações muito interessante sobre o Crédito Imobiliário, mostrando o passado, presente e futuro do crédito imobiliário, a evolução do crédito imobiliário de 1964 a 2017, a revolução tecnológica e como ela impulsiona todas as atividades ligadas ao crédito, entre muitas outras. Confira abaixo a Revista:

Queda na Selic deve favorecer fundos imobiliários

Dicas de Financiamento

“Agora é uma boa hora de comprar, pois as cotas estão com preços baixos.”, acredita o coordenador de Avaliação e Consultoria da Colliers, Edoardo Dalla Fina.   Os fundos imobiliários tiveram recuperação significativa na rentabilidade em 2016 e iniciam 2017 com perspectivas de ganho de liquidez em meio ao ambiente de redução da taxa básica […]

IGMI-R tem 1ª variação mensal positiva desde 2015

Dicas de Financiamento

Após ficar praticamente estável em novembro, o IGMI-R (Índice Geral de Imóveis Residenciais) registrou em dezembro um crescimento de 0,08% sobre o mês anterior. Essa é a primeira variação positiva do indicador desde novembro de 2015, como aponta a Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança). O ano passado foi um período […]

Copyright 2015 - UCI Brasil - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por BigHouseWeb